Co financiando o desenvolvimento da empresa 2014

Toda a equipe de analistas do mercado polonês e executivos de alto nível estão intrigados sobre como melhorar suas marcas, para que possam lutar contra suas contrapartes ocidentais. Não é de forma alguma diretamente possível encontrar a solução certa para este assunto. Escritórios e organizações polonesas perdem anualmente grandes somas de dinheiro como resultado de sucessivas licitações perdidas para inúmeros investimentos.

Se esta tendência pudesse ser mudada, teríamos a oportunidade de obter dinheiro, que foi bombeado para uma economia próxima, finalmente, deu-lhe a razão certa para crescer. Entretanto, estas propostas são conduzidas principalmente por empresas ocidentais. Os poloneses sofrem perdas financeiras de tal forma, por exemplo, no lucro de investir em metas que depois não têm chance de serem realizadas.Parece que o movimento para a frente no desenvolvimento é defender o assim chamado sistema de gestão integrada. Hoje, o poder de muitos nomes não é acumulado nas mãos de uma pessoa e de todos os comitês ou associações de pessoas. Como resultado, o processo de tomada de decisão é extraordinariamente estendido. Muitas vezes, as decisões são tomadas quando é evidente que é cedo demais para chegar tarde demais.Há também foram observa o problema do governo polonês, que é a observá-lo de perto. Diz-se a criar uma comissão especial, que é lidar com uma boa análise do projeto para eliminar a burocracia desnecessária, que está na fronteira da tomada de decisão eficaz.A Polónia tem o maior número de funcionários do Grupo Europeu que vão para uma determinada pessoa. No último caso, devemos tomar um exemplo da Alemanha, que há cinco anos aprovou uma série de leis que tiveram um jogo com excessiva burocracia no projeto. Graças a ter cada vez menos funcionários, o estado começou a economizar. Pelo menos graças ao fato de que eles não tinham que pagar seus salários mensais agora. E as autoridades - especialmente as do maior estado, ganham muito.Até hoje, alguns deles conhecem o estado alemão quanto ao montante de indenizações pagas, que eram baixas demais para serem creditadas.